terça-feira, 24 de abril de 2012

Definido aterro sanitário entre Juazeiro e Caririaçu

Esquema de aterro sanitário.
Esquema de aterro sanitário.

Depois de muitas idas e vindas, parece que finalmente decidiram o local do aterro sanitário da região do Cariri: será num terreno no limite entre Juazeiro do Norte e Caririaçu. Segundo reportagem do Jornal da Tarde, o governo do estado começará a construção no segundo semestre deste ano, depois de aprovar todas as licenças ambientais. 


Preservando a área do aeroporto este local poderá ser adequado para receber o lixo das cidades e acabar de vez com os vários lixões. Em contrapartida, agora é que o Anel Viário será mais que do necessário, pois imaginem todos os municípios do Cariri enviando caminhões e mais caminhões pela Rua São Pedro e Rua Pe. Cícero!

Abaixo um texto sobre questões técnicas dos aterros sanitários:

Fonte: http://caroldaemon.blogspot.com.br

Um aterro sanitário é uma “instalação de eliminação utilizada para a deposição controlada de resíduos acima ou abaixo da superfície natural”, em que os resíduos são lançados ordenadamente e cobertos com terra ou material similar. Existe coleta e tratamento do chorume e controle sistemático das águas lixiviantes e dos gases produzidos; é realizado monitoramento dos impactos ambientais durante a operação e após o seu encerramento.

Esta é a diferença entre aterros sanitários e aterros controlados, onde não há coleta e tratamento de chorume. A cobertura de resíduos domiciliares com terra se destina a evitar a ocorrência dos ciclos de insetos, não sendo necessária em resíduos industriais.

A destinação final dos resíduos sólidos pode variar muito. Desde a incineração em instalações muito caras, capazes de atingir grandes temperaturas, conforme se faz na Europa, até a destinação em aterros sanitários, mais comum nos Estados Unidos.

Os motivos são simples de entender. Na Europa ou no Japão, por falta de espaço para instalar aterros, as necessidades induziram o desenvolvimento de tecnologias adequadas de incineração, ainda que muito caras. Nos Estados Unidos, onde existe disponibilidade de espaço, as soluções em aterros sanitários são mais comuns.

Um aterro sanitário é uma solução técnica que incorpora todas as recomendações das boas técnicas e práticas de geotecnia ambiental atualmente incorporadas nas engenharias sanitária e ambiental.

Trata-se da escavação de uma vala, em que a cota da superfície de fundo esteja no mínimo 3m acima do lençol freático, que deverá ser revestida com uma geomembrana (aquela lona preta plástica que muitas vezes é vista em barracos para uso humano) chamada polietileno de alta densidade (PEAD), que em geral tem espessuras de 1,5mm ou 2mm.

Para garantir a eficácia e eficiência do sistema de impermeabilização que evita que os líquidos do lixo, chamados de chorume, se infiltrem contaminando solos e água subterrânea, colocamos um colchão de areia e um dreno chamado “testemunho” abaixo da lona plástica impermeabilizadora. Este dreno é recolhido numa caixa de inspeção fora da vala, e o objetivo é que sempre esteja seco, pois se apresentar chorume significa que a lona foi danificada e precisa ser consertada. Caso contrário não adianta fazer o aterro sanitário e não garantir sua eficácia.

Acima da lona, são instalados filtros para expulsão de gases, como o metano que se forma da fermentação da matéria orgânica, e um sistema de coleta de chorume no fundo da vala, para envio deste líquido para um instalação de tratamento do efluente.

Em aterros de classe IIA, realizados pelas prefeituras para acondicionamento dos resíduos domésticos, raramente estes aterros tem cobertura. Mas em ARIPs (Aterro de Resíduos Industriais Perigosos, que são classe I), mantidos por empresas e instituições privadas para destinação final de seus resíduos perigosos, estes aterros são geralmente cobertos, para que o volume de chuvas não aumente a quantidade de efluentes a serem tratados.

Tanto nos aterros públicos, quanto nos privados, sempre é feita uma drenagem pluvial em superfície, com meia cana, por fora da escavação, para impedir que as águas superficiais aumentem o volume de chorume a ser produzido e tratado.

Toda água que percola (passa) através dos resíduos, sejam quais forem os resíduos, se torna contaminada e precisa tratamento.

E em ambos os casos são instaladas redes de piezômetros (que nada mais são do que poços de coleta de amostras para controle), onde são coletadas e analisadas águas em intervalos trimestrais. Isto é feito para garantir que os aterros estejam sendo eficientes e não estejam poluindo ou degradando solos e águas subterrâneas.


Roberto Naime, Professor no Programa de pós-graduação em Qualidade Ambiental, Universidade FEEVALE, Novo Hamburgo – RS, é colunista do EcoDebate.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Veja aqui algum assunto de seu interesse

Se não encontrou seu assunto acima, digite abaixo e clique em pesquisar

Carregando...

Postagens mais acessadas do mês